Orquestra de Afectos, Orquestra Geração

"Bom dia, bom dia, olá como estão?” É o tema de entrada da saudação que fazemos, entre outras e variadas propostas expressivo-musicais, às crianças e profissionais educativos que integram o recente programa Orquestra de Afectos, em cinco jardins de infância pertencentes a escolas onde a Orquestra Geração tem implementados os seus núcleos orquestrais.


Desde janeiro de 2019 que a Orquestra de Afectos tem o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian através da iniciativa PARTIS – Práticas Artísticas para a Inclusão Social,


O Projeto “Orquestras Sinfónicas Juvenis” - Orquestra Geração é inspirado no Sistema Nacional das Orquestras Juvenis e Infantis da Venezuela, que tem na Orquestra Sinfónica Simón Bolívar o seu expoente máximo de qualidade, dirigida por grandes sumidades do mundo da música, e que há mais de 38 anos integra nos seus agrupamentos (mais de 200 orquestras juvenis locais) crianças e jovens provenientes de bairros problemáticos, com problemas de insucesso e abandono escolar, e com dificuldades de integração social.


Este projeto constitui um caso de sucesso pelo seu contributo inovador para a inserção e desenvolvimento de crianças e jovens provenientes de meios sociais mais desfavorecidos tendo sido objeto de analises independentes do IGOT (financiado pela Fundação Gulbenkian) e foi um dos 50 projetos identificados enquanto Boas Práticas pela Comissão Europeia (REGEA) por duas vezes seguidas.


Neste momento, estão envolvidas cerca de 1170 crianças e jovens dos 6 aos 20 anos de idade, distribuídos pelos vários instrumentos da orquestra sinfónica, de sopro, de percussão e Coro. Os professores envolvidos são dos vários instrumentos acima indicados e ainda de formação musical/coro e de expressão dramática. Estes professores são remunerados pelo Ministério da Educação, através da Escola Artística de Música do Conservatório Nacional que assegura a coordenação pedagógica geral, sendo a parte administrativa e executiva do projeto assegurada pela Associação das Orquestras Sinfónicas JUvenis Sistema Portugal (AOSJSP).


A apresentação pública regular é um aspeto fulcral ao desenvolvimento de toda a metodologia potenciando o conhecimento e criação de laços de amizade que perduram no tempo e que aproximam populações por vezes com um historial complicado de coabitação e de vizinhança.



Surgiram no ano letivo de 2007/2008 e tem vindo a desenvolver a atividade em mais escolas das zonas de Lisboa em Coimbra. Tem atingido um nível de qualidade e de sucesso na intenção de projeto de intervenção social através da música que os leva a ser convidados por diversas instituições Nacionais e Internacionais como exemplo de projetos de sucesso.


Foi-lhes atribuído em 2010 o Prémio Nacional de Professores do Ministério da Educação (inovação) e nos anos de 2013 e 2014 foram considerados pela União Europeia um dos melhores projetos de intervenção social de toda a União. Em 2017 foram menção honrosa da Fundação Manuel António da Mota (Porto) e em 2018 considerados a melhor empresa de intervenção social pelo grupo AGEAS e foi-lhes atribuída a medalha de ouro comemorativa dos 50 anos da Declaração Universal dos Direitos da Humanidade pela Assembleia da República.


São chamados frequentemente a participar em eventos marcantes do campo político, cultural e económico de Portugal como por exemplo as comemorações oficiais da entrada de Portugal na União Europeia , lançamento do programa de fundos estruturais Portugal 2020, Final da Champions League em Lisboa, atribuição do prémio Europa Nostra (presença do presidente da República e dos Reis de Espanha), receção ao Presidente do Parlamento Europeu, etc.






24 visualizações0 comentário