top of page

Canja de Ameijoas

Receita culinária do Professor Galopim de Carvalho


É encantador ouvir o Professor falar sobre culinária Alentejana do antigamente, do tempo em que se comia o que havia, o que se podia, com moderação , sobriedade e muito respeito pelos recursos limitados e sem desperdícios.


António Galopim de Carvalho

Director emérito do Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa

Professor de Geologia e investigador na Universidade de Lisboa e Professor na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa



Nesse tempo, o da minha infância, nos anos 30 do século passado, ainda a minha irmã mais nova não tinha nascido, as ameijoas verdadeiras, (as de nome científico Ruditapes decussatus, Lineu 1758), mais do que quaisquer outros bivalves, eram comuns e relativamente abundantes no mercado municipal de Évora. Ao contrário de hoje, eram acessíveis, em termos de preço, entrando com frequência nas casas das famílias mais modestas, como a nossa, de pai empregado de escritório, mãe doméstica e cinco filhos, três rapazes e duas raparigas, a alimentar.


Como confecção de caldo a anteceder o prato de um almoço ou de um jantar, fazendo de sopa, a minha mãe fazia muita vezes (e eu retive na memória como se faz) canja de ameijoas.


Terrina na mesa a fumegar e a libertar o saudoso aroma a maresia, a mãe servia, primeiro, o pai, depois por ordem de idades, os filhos, a começar pelo mais velho. E só depois de me servir a mim, o mais novo, se servia a ela, já a ouvir as reclamações deste ou desta porque o irmão ou a irmã ficara com mais um ou dois “bichos” do que ele ou ela.


- Calem-se e comam. – Ralhava. – Eu não posso estar a contar as ameijoas que vão no cace. Para a próxima ficas tu com mais.


Algumas vezes, com três ou quatro ameijoas buscadas no fundo da terrina, rapidamente se conseguia a igualdade reclamada e a necessária compostura à mesa. O pai não dizia nada. Comia calado, indiferente a estes e outros desaguisados de pequena monta. Habitualmente, não intervinha nestas contendas menores. Sempre se reservou para as situações mais graves, que as houve, naturalmente, como em quaisquer famílias.


Mas voltemos à canja de ameijoas.


Receita

1 kg de ameijoas verdadeiras, vivas e bem depuradas

100 g de arroz carolino

1 L de água

1 cebola média muito bem picada

1 ou 2 pés de salsa

1 golada de azeite


Leve a água a ao lume e, estando a ferver, introduza as ameijoas.

Deixe-as abrir completamente e retire-as com a escumadeira, um ou dois minutos depois.

Retire e rejeite a salsa.

Retire os “bichos”, reserve-os e rejeite as cascas.

Volte a pôr a água ao lume, com a cebola e a salsa, tempere de sal, junte o azeite e coza o arroz.

Momentos antes de retirar do lume, retire a salsa, acrescente o miolo das ameijoas e sirva bem quente.

Se gostar adicione, no prato, umas gotas de limão.


Bom apetite


Nota 1: Cace é uma maneira muito alentejana de dizer cocha de servir a sopa.


Nota 2: Nunca experimentei confecionar este prato com mexilhão, mas vou experimentar.


A. Galopim de Carvalho




Texto do Facebook do Professor Galopim de Carvalho.

Imagens da Web.

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

留言


bottom of page