Mar

Mar, metade da minha alma é feita de maresia

Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,

Que há no vasto clamor da maré cheia,

Que nunca nenhum bem me satisfez.

E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia

Mais fortes se levantam outra vez,

Que após cada queda caminho para a vida,

Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal

É porque também tu revoltado e teatral

Fazes soar a tua dor pelas alturas.

E se antes de tudo odeio e fujo

O que é impuro, profano e sujo,

É só porque as tuas ondas são puras.


Sophia de Mello Breyner Andresen

Nasceu a 06 Novembro 1919 (Porto)

Morreu em 02 Julho 2004 (Lisboa)


Lagos e as praias-poema de Sophia

Sophia de Mello Breyner descobriu Lagos nos anos 60.


A luz, as casas brancas, as praias, a brisa, as grutas amarelas, os peixes azuis foram uma paixão que durou décadas e ficou incrustada em poemas.


Em 1944, quando escreveu o famoso poema "no fundo do mar/ há brancos pavores/ onde as plantas são animais/ e os animais são flores (…)" Sophia de Mello Breyner Andresen, estava longe de imaginar que um dia iria reencontrar esse mesmo fundo do mar, nas águas tranquilas e transparentes da cidade de Lagos.


Na verdade só a descobriu no início da década de 60, mas a paixão pela costa onde as rochas de calcário amarelo, as grutas escavadas pela água e o vento se erguem como sonhos surrealistas entre as coisas visíveis havia de lhe durar o resto da vida.


In Revista Sábado, Joana E. Marques 9/06/21


Fotos do Mundo Roselha Grande

Costa de Lagos , sábado 21/05/22

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo